quinta-feira, 3 de junho de 2010

O pulo do gato: um segredo anatômico



      Como todo bom felino, o gato, ao perceber a presença da presa, prepara-se para o bote. Este é um dos seus números mais preciosos: o famoso pulo do gato. Ele pode se aproximar sem ser visto e sem ruídos. Para isso, conta com o auxílio de suas patas digitígradas, ou seja, caminha literalmente na ponta dos pés. Mas o segredo do sucesso não está apenas nesse detalhe. Cada parte de seu corpo foi adaptada para movimentos ágeis e inesperados. Um deles é a corrida de pequena extensão, na qual é perito. Ganhando velocidade, salta flexionando as patas traseiras e, estendenso-se completamente no ar, cai sobre a presa. Se o bote falhar, ele pode rapidamente repetir a proeza e cercando a presa de outro ângulo.
      Por trás de todas essas fases está um magnifico conjunto de ossos e  músculos. A coluna vertebral dos gatos é extremamente flexível, pois a articulação entre as vértebras, mais numerosas do que nos humanos, é menos rígida, com ligamentos eláticos e poucas proeminências. O mesmo acontece com sua caixa torácica, pequena e bastante cartilaginosa. Essas características, somadas, dão-lhe a capacidade de arquear as costas ou achatar o corpo de tal forma que consegue muita facilidade passar por frestas muito estreitas. A coluna curvada guarda uma imensa energia potencial, funciona como uma mola. Essa vantagem, aliada à poderosa impulsão da musculatura dos membros traseiros, já lhe basta para galgar um muro alto sem precisar correr. Essa mesma flexibilidade anatômica permite também ao gato mudar rapidamente de posição, saltar para trás, rolar no chão ou escalar um telhado. É um verdadeiro acrobata da natureza.

Fonte: Globo Ciências. Ano 7, nº 78

2 comentários:

Beeta disse...

legal... adorei o blog... amo animais tbm..
beijos
seguindo

Regina Bolico disse...

Beeta!
Obrigada pela visita e pela opinião.
Um abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...