quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Caça? Sou contra

Autor: Sydney Rezende


Nunca me identifiquei com a arte de matar. Perfilo ao lado dos que cultivam o diálogo, afeto, troca de conhecimento. E por fé inabalável aceito o uso de armas letais só em situações extremas.
Não tem o direito de aniquilar a integridade física de ninguém. Por princípio, sou contra assassinar o outro. Não sou um budista que com o coração grande busca a harmonia cósmica. 
Mas minha índole se reconforta com o respeito ao outro. Principalmente aos mais fracos fisicamente do que eu.


Leia o texto integral AQUI.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Contando as novidades a um amigo que está distante

Em memória do meu grande amigo Sérgio Luiz Gomes de Lima, que adorava animais.

Acontecimentos que você não viu, meu amigo

Você me disse, brincando, que eu era louca para ser vegetariana num estado como o Rio Grande do Sul. É , foi uma conscientização muito lenta e definitiva. Veio devagarzinho, porque eu não aguentava me sentir tão hipócrita de amar uns animais e me alimentar de outros.Foi esse o ponto em comum, amar animais, você era gateiro como eu. No comecinho de outubro Momo, ou Mimosa, aquela gatinha linda que parecia uma vaquinha teve filhotes no meu quarto e ali fez seu reduto. Ela tinha passado uns dias longe de casa, até suspeitava que tivesse outro lar, mas cada vez que combinava com o veterinária para castrá-la ela sumia, parece que adivinhava... Pois é, quatro lindos bebês nasceram no dia 7 de outubro, um deles, o mais cretino, deixava a mãezinha dele e vinha deitar ao meu lado.

Aquele candidato protetor de animais aí de Campinas venceu, você me disse que votaria nele mesmo que fosse no hospital. Santa Catarina passou por uma tragédia, muitas pessoas e muitos animaizinhos morreram, outros tantos ficaram desprotegidos. Tenho certeza absoluta que você seria mais um a ajudar.

Um dia chegou até o portão aqui de casa uma jovem senhora e me chamou, perguntou-me se eu fazia parte da associação de proteção aos animais. Ela trazia um cachorro nos braços. Achei que ela queria me trazer o bichinho para doar, eu disse-lhe que não recebia animais, que era uma protetora independente sem vínculo a entidade de proteção aos animais. Aí ela começou a chorar e disse que não tinha a quem recorrer e que alguém lhe disse que eu poderia ajudar. Ela explicou-me que a cadelinha estava tentando ter filhotes há dias e não conseguia e ela tinha medo de perdê-la. Fiquei muito comovida com o amor que ela tinha por aquele bichinho e o quanto estava assustada com o estado de saúde dele. Pedi para esperar-me e fui ligar aos veterinários e não consegui nenhum, era domingo de manhã. Liguei então para o hospital veterinário e lá fui eu com a minha nova amiga. A cadelinha foi submetida a uma cesariana e castração, os filhotinhos estavam podres dentro dela. Fomos buscá-la segunda-feira pela manhã. A conta foi muito salgada, assumi os custos porque essa senhora era extremamente pobre e, acredito, mal tinha o que comer. Eu não sei como um hospital veterinário pode cobrar mais que clínicas particulares. O meu orçamento ficou comprometido e algumas castrações que pretendia fazer tive que adiar.

Falando em castrações, consegui uma veterinária do bem que me cobra um preço bem mais baixo que os demais, isso tem me dado um certo alívio, porque os custos estavam muito altos. Você sabe bem como é isso.

Eu sei que você estaria me dizendo que eu superaria tudo isso, aliás, você sempre teve essa capacidade de me enxergar maior do que realmente eu era. Mas vou continuar fazendo de conta que acredito. Fiz um jardim, plantei flores, quebrei calçadas, botei os pés na terra...E os dias vão passando, alguns dias com sol, outros com chuva, gostaria de te dizer que a natureza segue seu ritmo natural, mas não é bem assim, coisas estranhas acontecem, ou chove demais ou é secura demais. Termino meu curso de educação ambiental achando que tudo é o começo. Estou fazendo a minha monografia, é sobre degradação dos solos. Você sabe, solo é vida e é fonte de alimentos. A mãe Terra, nossa nave, precisa de um pouco de paz.

Um beijo e me aguarde!
.
Sérgio faleceu em dezembro de 2008, depois de ficar dois meses internado em um hospital tentando se recuperar de uma cirurgia de ponte safena. Anjos vão embora cedo...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...